racas-de-caes, caes, animais-de-estimacao -  - O que você não sabia a respeito do magnífico  Bull Terrier

O que você não sabia a respeito do magnífico Bull Terrier

A compreensão da concepção do Bull Terrier no século XIX não é completamente concordante com o Bull Terrier moderno. Antigamente, na Inglaterra, havia muitos práticas esportivas de briga e caça para cachorros, por esse motivo o propósito da criação do Bull Terrier, esse cachorro que é a combinação dos cães Bull e Terrier. A sua concepção está ligada a um indivíduo denominado James Hinks, de Birmingham (Grã-Bretanha), que, após muitos anos de ensaios, apresentou essa raça no início da década de 50.
Contudo, o primeiro aparecimento da espécie que, mais tarde, seria acasalada com a espécie Dálmata para se tornar o Bull Terrier que conhecemos nos dias de hoje foi motivada em meio à procura pelo animal de briga perfeito. As rinhas entre animais (fosse entre cães ou entre cachorros e touros, entre outros bichos) eram imensamente populares na Inglaterra antiga – vindo a ser realizadas irregularmente neste país por um bom tempo, mesmo após a sua coibição.
Para entender a origem dessa espécie (que pode ser tida como a transformação das miscigenações entre Bulldogs, English White Terriers e Dálmatas) é fundamental saber que os remotos Bulldogs que lhe originaram são oriundos do cachorros mastins – habitualmente usados para desafiar espécimes de largo estatura das mais diversas naturezas.
Nascidos a partir de raças de bichos ferozes, resistentes e violentos, os Bulldogs antigos foram desenvolvidos como lutadores – e foi por causa desse propósito que esta foi uma das espécies utilizadas para procurar dar início ao cachorro de luta ideal, que acabou tornando-se o Bull Terrier depois de uma outra série de acasalamentos.

Características Físicas do Bull Terrier

O Bull Terrier é uma raça dócil, extremamente tolerante perante a firmeza. É um cão de constituição sólida, ativo e bem-proporcionado. Sua mandíbula é bem resistente e grande, sua cabeça não tem contornos ou cavidades, além de sua caixa craniana ser comprida, forte e volumosa. Seus olhos são aprofundados, pequenos e amendoados, com olhar enfeitiçante. Suas orelhas são próximas, empinadas e curtas.
O dorso do Bull Terrier é bastante arredondado, com evidente dobramento das costelas e excepcional altura da cernelha ao esterno, de maneira que este fique mais próximo do chão. O rabo não é demasiadamente curto e sua inclusão não é bem alta.
O pelo do Bull Terrier é curto, denso e sensível ao contato. O Bull Terrier mais popular é branco, integralmente ou com umas manchas em outras colorações. E tem o Bull Terrier totalmente colorido, com mínimas partes esbranquiçadas.

Como tratar de um Bull Terrier

Você tem que entretê-lo com atividades físicas que despertem sua inteligência. Deixe o animal em um local protegido, no entanto ele adora se movimentar muito. Ele não tem que permanecer ao ar livre, todavia achando-se dentro de casa, com ingresso ao pátio.
Embora o Bull Terrier seja mais dócil, afetuoso e tranquilo, é vital que você faça de uma forma que ele desfrute e despenda sua energia para não estressá-lo, seja com você ou com as pessoas em seu redor. Se ele não gastar toda a intensidade que tem concentrada, ele pode se tornar demasiadamente mais ameaçador e irritado, e isso deve-se ao jeito como foi criado, sendo visto como um cão de brigas.
Se você reside em prédios ou lugares bastante pequenos, nem pense em possuir um Bull Terrier, eles têm necessidade de grandes espaços. Para essa raça que necessita de dissipar muita energia, um local maior é o recomendado, embora haja pessoas que têm este espécime mesmo morando em pequenas casas. Se esse for o seu empecilho, perceba que você necessita fazer com que ele desenvolva inúmeras atividades a fim de prevenir adversidades posteriores.
Não há muitos sacrifícios em relação ao pelo dessa espécie.

Benefícios de ter um cachorro Bull Terrier

Esta espécie não é recomendada para todos os indivíduos, contudo as que o possuírem vão ver muitas coisas positivas. Sua individualidade é, sem dúvida, o indício mais característico desses cães. A afeição absoluta e lealdade com seus familiares estão atados à sua simpatia e curiosidade, tornando o cachorro dessa espécie um companheiro para o resto da vida. O Bull Terrrier nos entretém ao passo que sonda tudo em volta com o vigor de uma criança e a aplicação perseverante de um Sherlock Holmes.
Tudo que você proporcionar ao Bull Terrier, seja um bichinho de pelúcia ou uma bolinha, ele vai farejar, fruir um pouco e, logo após, irá destruí-lo em questão de pouco tempo. Sem objetos para entreter-se, o Bull Terrier é, indubitavelmente, imaginativo o suficiente para se manter atarefado. O anseio de se conservar distraído é um vestígio comum em todos os cachorros, todavia é uma peculiaridade essencial dessa raça em especial.

Problemas habituais do Bull Terrier

Os problemas de pele são bem comuns nesta raça, exatamente como a Acne ou Acrodermatite, essa já é demasiadamente mais delicada, pois até os filhotinhos são prejudicados por ela. A Acrodermatite é capaz de provocar até feridas em diversas partes do corpo físico do cão.
Um dos significativos distúrbios da espécie é a perda de audição, de um ou dos dois ouvidos. Acreditava-se que esse distúrbio era graças a coloração esbranquiçada do cachorro, daí terem sido desenvolvidos cães mais coloridos.
Se você gosta de cães mais submissos, é muito melhor pensar bem antes de adquiri-lo, mas, caso você queira um cachorro autossuficiente, esse é o ideal. Essa é uma raça de característica irrefutável, que dá a sensação de contrariar os comandos que ganha e, por isso, não aconselha-se que tenha um proprietário iniciante, entretanto sim, um que possua domínio com relação ao cão.
Este cachorro é excessivamente resistente ao treinamento, em razão disso ele leva um tempo maior para entender em relação aos outros. Com pessoas desconhecidas, ele não tem o hábito de ser ofensivo, todavia não é festeiro, a não ser que seja sociabilizado o quanto antes.

Crias de Bull Terrier

Esses cães, quando filhotes, podem ser bem inquietos e demolir tudo o que está ao seu redor. Eles, precisamente como os adultos, devem gastar muita energia com o objetivo de não ficarem demasiadamente receosos. Não são cachorros que se deva deixar desacompanhados em um apartamento ou desamparados em um jardim do lar.
A pelagem deste cão é bastante pequena e não tem necessidade de cuidados exagerados. Se você mora em um edifício, medite bem: uma vez que será fundamental ajudá-lo a gastar a energia de muitas formas.
O que irá determinar se o seu cão vai ser ofensivo ou não é o modo de carinho que você oferta para ele: seja amoroso com o seu animal e você possuirá um cachorro amável, respeitoso e bastante parceiro durante toda uma vida.
Os Bull Terrier são muito vigorosos, fazendo que, na ocasião em que irritados, possam produzir graves problemas para quem está à sua frente. Por causa disso o amor é extremamente essencial. Esse cachorro não é ofensivo, entretanto, se impelido para uma atitude dessa, pode ser parecido a um Pitbull em fúria.

Fatos interessantes com relação ao Bull Terrier

Você terá inúmeros motivos para alegrar-se deste cachorro. Um tanto exibicionista, não se espante se observar seu Bull Terrier disparando de um lado para o outro pelos quatro cantos da casa, saltitando e avançando em objetos sem vida somente para atrair sua atenção e revelar como é musculoso. Caso você participe das diversões, não vai se decepcionar.
Se estas aptidões físicas não atrairem sua atenção, é aconselhado que tampe os ouvidos. Admita ou não, o seu Bull Terrier irá te chamar. Eles vão se queixar, murmurarão e irão balbuciar para divertí-lo. Aceite ou não: seu Bull irá tentar “falar” com você. Quando conseguir chamar a sua atenção, ele imitirá alguma espécie de código.
Seu proprietário vai deliciar-se com isso, apesar que para alguns isto seja capaz de parecer esquisito. Quando seu Bull Terrier está fora de casa e encontra um arbusto ou um pedaço de relva elevada e opta se asilar, o cachorro irá andar vagarosamente para baixo do arbusto e posteriormente irá ficar completamente quieto.
Percebendo mais de perto vai poder observar o cão com um olhar distante, como se permanecesse em transe, enquanto que a corrente de ar sopra brandamente em volta dos arbustos e lhe acaricia a coluna. A partir de algum tempo, ele se erguerá, irá endireitar seus pelos e continuará o seu passeio. E não é somente com arbustos ou relvas originais, com árvores natalinas também já foi notado esse tipo de hábito, que também é bastante incompreensível.